Como a fé se protege da crítica







Podemos concordar que não é surpreendente que uma pessoa simples, sem estudo, acredite num deus que nasce de uma virgem, por obra do espírito santo, nem que outro devoto igualmente iletrado acredite em deuses de seis braços. Sabemos que tais pessoas são fáceis de acreditar em qualquer coisa.

No entanto, o que me surpreende é como pessoas cultas continuam a crer em um deus que nasce de uma virgem por obra de um espírito e hindus cultos acreditam que o deus Brahma separou a humanidade em castas. Coitados dos intocáveis!

Por diversas ocasiões, confrontei crentes inteligentes com os absurdos de suas religiões e todos  se mantinham irredutíveis, como se estivessem concretados por um muro de cimento, que os impossibilitava de enxergar os absurdos de sua fé.

Um padre me disse que o dilúvio existiu e foi deus quem o mandou pois o povo mereceu. Mas não foi deus quem os criou, perguntei. O padre respondeu, mas deus nos deu o livre arbítrio. Como as pessoas escolheram não amar a deus, sofreram o castigo.

Argumentei que ninguém pode exigir amor, o amor deve acontecer naturalmente, sem ameaças. Ele retorquiu. Com deus é diferente. Temos que amá-lo e acreditar, pois só assim viveremos na bem aventurança.

Indaguei o padre. Mas quantos vão à igreja, rezam todo dia, adoram a deus o tempo todo, e têm problemas de saúde, vivem infelizes, etc? Enquanto outros que não rezam, nem creem no seu deus, são felizes, e esbanjam saúde?

Aí ele me contou a parábola de Lázaro e do homem rico. Em vida, Lázaro era pobre e comia as migalhas do rico. Quando morreram, Lázaro que era crente, foi para o céu, e o rico para o inferno.  Disse o padre que muitos sofrem nessa vida, mas terão a recompensa no céu, após a morte.

Pergunto a você que está me acompanhando. Tem como trazer luz a quem já está contaminado pela fé. A fé impossibilita de raciocinar. A fé escraviza. Faz até pessoas inteligentes acreditar em jumenta que fala, sol que para, homem que anda sobre a água, num deus que manda seu exército matar até crianças de colo, como o fazia o deus dos hebreus da Bíblia.

Acho que a melhor explicação para o crente acreditar nesses contos de fada é que a fé consola, e torna a vida menos brutal. Raros são aqueles que despertam do sono da religião e começam a ver as coisas com mais naturalidade.