Liberalismo x fundamentalismo





O liberalismo teológico nasceu diante da necessidade de compreender a fé cristã de tal maneira que ela se mostrasse compatível com o ambiente intelectual que caracterizava o final do século XIX.

Novos estudos tecnicamente mais sofisticados apoiado por uma nova metodologia começaram a colocar em dúvida a autenticidade de vários livros bíblicos.

Sem falar na teoria da evolução, que criou uma grande agitação no campo teológico, pois desafiava a história da criação registrada em Gênesis.

Pela primeira vez o protestantismo teve de enfrentar desafios de caráter intelectual. A primeira atitude foi eliminar do cristianismo tudo o que pudesse parecer místicos e míticos.

A rigor, os teólogos liberais era pessoas de profunda erudição religiosa, que se sentiam obrigadas por essa mesma erudição a responder aos desafios intelectuais do momento. Coisa que fizeram muito bem. Pois tornaram possível alguma fé no ser humano moderno.

Essas ideias, porém, despertaram do sono a ala cristã americana mais fundamentalista. Aliás, o termo “fundamento” tornou-se o tema característico da reação antiliberal.

Em 1846, quando esse movimento começava a ganhar forma, organizou-se a Aliança Evangélica, com o objetivo de unir a todos os que consideravam o liberalismo uma ameaça à fé cristã.

Entretanto foi em 1895, em uma reunião perto das cataratas do Niágara , que o movimento anunciou os cinco “fundamentos” da fé que não podiam ser negados sem cair nos erros do liberalismo.

Esses fundamentos eram: A infalibilidade das escrituras, a divindade de Jesus, seu sacrifício expiatório, sua ressurreição física e sua volta iminente. Sendo esse último item, o que deu origem ao dispensacionalismo de Scofield, que viria a se tornar a febre até o final do século XX.

Conclui-se com isso, que grande parte dos elementos que estruturam o pensamento cristão brasileiro, teve origem nesse movimento que ficou conhecido como uma contra ofensiva ao liberalismo. Que pena!

Bibliografia: A era dos novos horizontes, Justo Gonzales.