Pedantismo e boçalidade cristã






Desde que o homem macedônico apareceu a Paulo, ele se tornou um arquétipo dos não cristãos, implorando aos mensageiros de Cristo que fossem ajudá-lo. Desde então a igreja opera com a premissa de que o mundo é dividido entre pessoas “salvas” e “perdidas” a partir de pré-conceitos extraídos de pontos de suas escrituras.

 
Mas existe um detalhe para o qual a igreja não atentou. Que este pensamento seria dominado pelo pedantismo que hoje o caracteriza.

 
Pedantismo é a marca distintiva de quem acredita ser superior ao outro, seja em qual aspecto for. E a igreja é composta, em boa parte, por pessoas vaidosas na maneira de falar de coisas que elas acreditam possuir total domínio, e de forma bastante arrogante ostentam graduação em conhecimentos de temas de ordem metafísica.

 
No campo da moral o pedante cristão acredita ser a cereja do bolo. O Oásis no deserto em termos de espiritualidade, de cuja presença fogem os demônios que infestam ambientes. No quesito sabedoria pensa ser o último dos últimos. Pois arvora para si a prerrogativa de ensinar o caminho para uma dimensão cósmica, o qual chama de “céu”. Quanto à transcendência pensa ter encontrado o fio da meada. Sendo capaz de prever e determinar com exatidão até o modus operandis de Deus.

 
Quanta boçalidade!




 

Obs. - Pedante é aquela pessoa que possuiu muita “vaidade” na maneira com que fala das coisas, e que acaba de forma arrogante e precipitada ostentando conhecimentos que na verdade não possui. Todos que foram adolescentes um dia sabem o que é isso. Geralmente este comportamento está relacionado com uma necessidade de auto-afirmação, uma necessidade de se impor ideologicamente.