Salmo 23 - cópia de hino a Osíris




Por Miriam Cristina Alves Avila


Roland De Vaux revolucionou os estudos bíblicos, nasceu em Paris no ano de 1903 e faleceu em 1971.Foi diretor da famosa escola Ecole Bíblique de Jerusalém (1945 – 1965), foi arqueólogo, historiador, Dominicano e Doutor em Teologia.

Ele diz que embora com o tempo o salmo DE Osíris tenha sofrido algumas modificações pelas mãos dos bispos, e tenha sido conhecido como sendo da autoria de Davi, ele ainda continua muito semelhante ao original.

O uso da vara também denominada mangal, e do cajado que no Egito significam disciplina e condução, vem dos primórdios e eaparecia sempre sendo usado por Osíris seguido de Hórus, a partir daí todos os faraós os usavam.             

O salmo de número 23 da bíblia remonta dos primórdios e originou-se no Egito, onde os antigos escribas faziam suas súplicas a Osíris, e diz mais ou menos assim:


Osíris Amém!  O senhor é o meu pastor e nada me faltará.
Tu me fazes repousar em pastos verdejantes.

Leva-me para junto das águas de descanso no paraíso das terras de Nefér (terras de beleza ou perfeição).

Refrigera minha alma. Guia-me pelas veredas de Maat (da verdade e justiça) por amor de seu nome.

Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu Osíris Amém (que está em oculto) estás comigo: a tua vara e o teu cajado me consolam.

Preparas uma mesa no tribunal dos mortos e na presença de meus adversários unges-me a cabeça com óleo, e o meu cálice transborda.

Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias de minha vida; e habitarei em Betel na casa do Senhor para todo o sempre.

Osíris Amém! O senhor é o meu pastor e nada me faltará.

Osíris, além de receber mais de 200 nomes divinos, também era chamado de bom pastor, títulos estes que logo também passaram para Hórus.

A tua vara e o teu cajado me consolam...
Preparas uma mesa no tribunal dos mortos...
E Habitarei em Betel, na casa do senhor para todo o sempre.       

Plutarco de Queroneia, filósofo grego (46 a 126 DC), estudou na famosa      academia de Atenas cujo fundador foi Platão e assim como muitas pessoas também foi explorar o Egito e escreveu sobre suas descobertas em uma obra denominada Isis e Osíris, Essa obra esta plenamente preservada na nova biblioteca de Alexandria no Egito e também possui muitas semelhanças com a história de Jesus, a obra possui algumas divisões, que podem ser descritas em 14 divisões ou estações, como se segue abaixo.
 
O nascimento de Osíris.      
Coroação e reinado.  
As andanças pelo mundo.   
A traição de Set.    
O sofrimento de Ísis.    
A procura de Ísis pelo corpo.   
O encontro de Osíris morto e despedaçado.
A reconstituição do corpo.
Lamentações de Isis.     
Descida de Osíris ao mundo dos mortos e sua ascensão para o reino do céu.
Anunciação da concepção de Hórus. 
Nascimento de Hórus.                                                                          
Lutas de Hórus contra Set.(origem da palavra satanás)    
Triunfo de Hórus

Plutarco nos trás a seguinte inscrição dos textos das pirâmides: Nasceu Osíris o cordeiro divino, senhor do mundo no meio do céu do ventre de Nut. Ide e adorá-lo sobre o tufo de papiro onde a divina criança repousa.

No reinado de Osíris a paz predominava, e segundo os registros da história, ele andou pelo mundo transformando os homens e tirando-lhes os instintos animalizados. Também lhes ensinou a justiça, o conhecimento da terra, o plantio e a colheita, à preparação das uvas para fabricação de vinho, e muitos outros ensinamentos. Devido ao cultivo das uvas, dentre seus inúmeros títulos divinos também era chamado senhor da vinha.

Conta á história que Osíris tinha poder de curar e era amado pelo povo, e isso também foi uma das causas que deixaram Set ainda mais enciumado e encolerizado, e para tomar o lugar de Osíris, logo planejou a sua morte enquanto ele estava em suas andanças pelo mundo. Após a morte de Osíris, Ísis ainda virgem e grávida de Hórus o mediador alado entre Deus e os homens, portador da lança divina, e própria essência de Osíris que renasceria para acabar com as trevas de Set, teve que fugir e esconder-se para que o menino nascesse em segurança longe dos olhos de Set.

Após a morte de Osíris, os sacerdotes passaram a beber o vinho e comer o pão em uma cerimônia em sua homenagem onde o pão era repartido conforme as partes de seu corpo que fora despedaçado por Set, daí derivou-se a santa ceia. Da mesma maneira, depois do nascimento de Hórus, eles passaram a comemorar o seu nascimento, Natal ou (Navidá), e isso aconteceu milênios antes da era cristã. Além da cerimônia do pão e do vinho em homenagem a Osíris e a comemoração do nascimento de Hórus. Os sacerdotes também encenavam a paixão de Osíris diante dos templos como em um teatro e os participantes da encenação usavam mascaras de diversas divindades envolvidas, enquanto outro sacerdote narrava ás passagens da história.   

(Apostila de pesquisas: Conhecimentos Básicos do Antigo Egito. ainda não concluído; Autora: Miriam Ávila.)