A máquina quântica






…e pôs a eternidade no coração do homem - Salomão, no livro de Eclesiastes 

Um grupo considerável de pessoas neste fim de milênio já não pensa em “tempo” do mesmo modo que a maioria dos seres humanos ainda concebem essa dimensão. Hoje, com os novos experimentos da física quântica, uma revolução está para acontecer. Haverá grande aproximação entre ciência e religião, entre tecnologia e biologia, entre máquina e realidade orgânica. 

Muitas das hoje chamadas energias sutis –bem conhecidas por profetas e místicos como mundo espiritual– estarão ao alcance da ciência e da tecnologia. Máquinas serão construídas a partir de células, criando um mundo de comunicação instantânea de informações. Serão aparatos magnéticos, e não elétricos. Nada do que hoje nós chamamos de avançado poderá, ainda, ser assim considerado depois que isso acontecer.

Em meio a todo esse progresso, se chegará a uma conclusão: a grande máquina quântica não está por ser criada, mas já existe há milhares de anos. Também se descobrirá que essa máquina viva jamais foi usada em plenitude na Terra – exceto uma única vez, há cerca de dois mil anos–, em razão de que, logo após ter sido criada livre, apareceu nela um desejo que, consumado, lhe atrofiou os sensores e inibiu seus recursos de percepção. Desse modo, ela perdeu a conexão com as milhares de formas de energias sutis e dimensões existentes no universo! A pior de todas as perdas, todavia, aconteceu na área de voice recognition, pois nessa máquina quântica surgiu uma quase total impossibilidade para o reconhecimento da Voz de seu Criador.

A despeito disso, o potencial dessa máquina não foi aniquilado, e, em tempo, ainda se saberá sobre as grandes maravilhas que a habitam. Esta extraordinária tecnologia quântica presente neste planeta possui corpo, alma e espírito! O corpo experimenta o tempo; o espírito transcende o tempo – pois tem natureza atemporal. E a alma faz o elo entre as várias formas de energias da dimensão física e psicofísica e as profundidades das formas de existência que não podem ser medidas ou mesmo assumidas como reais no mundo das coisas palpáveis, pois são espirituais.

A vida humana é o grande complexo eterno-temporal a ser descoberto nas décadas por vir. E quando essa consciência se instalar, então se saberá que a eternidade habita o coração dos homens e que o tempo nada mais é que uma momentânea impressão de uma das muitas formas de existir e conhecer a existência, que os humanos possuem, mas que foi em nós atrofiada por algo que a linguagem teológica chama de a queda. Sobretudo se saberá que assim como profetas visitam o que será, também podem visitar o que já foi, pois, no espírito, o que é, é; porque passado, presente, e futuro, nada mais são que expressões daquilo que é, e habita o interior dos seres humanos.

(Extraído do livro Nephilim, de Caio Fábio, escrito em 1999.)