Estou atacando o “homem invisível” que mora no céu


 

Resumo do livro: Deus um delírio (Richard Dawkins)




Mas acredito que há muita gente de mente aberta por ai : pessoas cuja doutrinação infantil não foi tão insidiosa, ou que por outros motivos não “pegou”, ou cuja inteligência natural seja forte o bastante para superá-la. Espíritos livres como esses devem precisar só de um pequeno incentivo para se libertar de vez do vício da religião.

O que a maioria dos ateus acredita é que, embora só haja um tipo de matéria no universo, e é a matéria física, dessa matéria nascem a mente, a beleza, as emoções, os valores morais – em suma, a gama completa de fenômenos que enriquecem a vida humana.

A religião de uma era é o entretenimento literário da seguinte. Ralph Waldo Emerson

Qualquer inteligência criativa, de complexidade suficiente para projetar qualquer coisa, só existe como produto final de um processo extenso de evolução gradativa.

A vida é curta demais para nos preocuparmos com a distinção entre os muitos produto da imaginação.

Estou atacando Deus, todos os deuses, toda e qualquer coisa sobrenatural, que já foi e que ainda será inventada.

Ateu convicto. “Sei que Deus não existe, com a mesma convicção que Jung ‘sabe’ que ele existe”.

Mas, se a ciência não pode responder a uma pergunta definitiva, o faz alguém pensar que a religião possa?

O fato de que ela não tem nada mais a contribuir para a sabedoria humana não é razão para dar à religião uma permissão total para nos dizer o que fazer.

A verdadeira guerra é entre o racionalismo e a superstição. A ciência não é nada mais que uma forma de racionalismo, enquanto a religião é a forma mais comum de superstição.

Entidades complexas para serem inteligentes são resultado de um processo evolutivo.

A seleção natural é o maior guindaste de todos os tempos. Ela elevou a vida da simplicidade primitiva a altitudes estonteantes de complexidade, beleza e aparente desígnio que hoje nos deslumbram.

A evolução pela seleção natural produz um excelente simulacro de design, acumulando níveis incríveis de complexidade e elegância.

Assim, se as pessoas religiosas não são generalizadamente loucas, suas principais crenças absolutamente o são.

O cérebro humano é muito bom em construir modelos. Mas não há nem mais nem menos motivos para acreditar nos quatro evangelhos conônicos. Todos têm status de lenda, tão duvidosos em termos factuais quanto as história do rei Arthur e seus cavalheiros da Távola Redonda.

A única diferença entre O código Da Vinci e os evangelhos é que os evangelhos são ficção antiga, enquanto O código Da Vinci é ficção moderna.

A imensa maioria dos homens intelectualmente eminentes não acredita na religião cristã, mas esconde esse fato do público porque tem medo de perder sua renda. Bertrand Russell

Somos só produto da evolução. A imensa maioria dos integrantes da Royal Society, assim como a imensa maioria dos acadêmicos dos EUA, é de ateus.

Os cientistas da área da biologia são, ainda mais ateus que os cientistas da área da física.

É mais provável encontrar ateus entre os mais instruídos e mais inteligentes? As pessoas mais instruídas têm uma tendência menor a ser religiosa.

Quando maior a inteligência ou o nível de instrução da pessoa, menor é a probabilidade de ela ser religiosa ou ter qualquer tipo de crença.

O fato de possuirmos um senso de certo e errado não têm nenhuma ligação clara com a existência de uma divindade sobrenatural.

As pessoas com tendências teológicas são sabidamente e com freqüência cronicamente incapazes de distinguir a verdade daquilo que gostariam que fosse verdade.

“Quem criou Deus?” que a maioria das pessoas pensantes descobre por si só. Um Deus projetista não pode ser usado para explicar a complexidade organizada porque qualquer Deus capaz de projetar qualquer coisa teria que ser complexo o suficiente para exigir o mesmo tipo de explicação para si mesmo. A existência de Deus nos coloca diante de uma regressão infinita da qual ele não consegue nos ajudar a fugir.

Quem, antes de Darwin, poderia ter imaginado que algo tão aparentemente projetado quanto a asa de uma libélula ou o olho de uma águia é na verdade o resultado de uma longa seqüência de causas não aleatórias, mas puramente naturais?

O filósofo Daniel Dennett, dono de sabedoria científica, afirmou que a evolução contraria uma das nossas idéias mais antigas : ”a idéia de que é necessária uma coisa superinteligente para fazer uma coisa menor. Chamaria isso de teoria gota a gota da criação. Você nunca vai ver uma lança fazendo um fabricador de lança. Nunca vai ver uma ferradura fazendo um ferreiro. Nunca verá um vaso fazendo o ceramista”. A descoberta por Darwin, de um processo viável que faz uma coisa tão contrária à nossa intuição é o que o que torna sua contribuição ao pensamento humano tão revolucionária, e tão armada com o poder de conscientizar.

A geologia nos faz lembrar da brevidade de nossa existência, tanto como indivíduos como espécie.

A cosmologia moderna começou de verdade com Darwin e Wallace. Como ninguém antes, eles deram explicações para nossa existência que rejeitam completamente os agentes sobrenaturais...

A seleção natural não é apenas uma solução parcimoniosa, plausível e elegante; é a única alternativa viável ao acaso a ter sido sugerida.

A lógica criacionista é sempre a mesma. A seleção natural é uma alternativa melhor. Na verdade, o design não é nem mesmo uma alternativa de verdade, porque suscita um problema maior do que o que solucionou: quem projetou o projetista? A seleção natural é a solução verdadeira. É a única solução viável já sugerida. E não apenas solução viável, é uma solução de incrível poder e elegância.

O que preocupa teólogos é que as lacunas diminuem conforme a ciência avança.

A maioria dos cientistas fica entediada com o que já descobriu. É a ignorância que os impele.

Um dos efeitos verdadeiramente negativos da religião é que ele nos ensina que é uma virtude satisfazer-se com o não entendimento.

Os criacionistas adoram lacunas dos registros fósseis, do mesmo modo como adoram lacunas em geral.

A história da ciência nos mostra alguma coisa, é que não chegamos a lugar nenhum ao chamar nossa ignorância de Deus.

A origem da vida foi o evento químico, ou a série de eventos, através dos quais as condições vitais para seleção natural surgiram pela primeira vez.

A origem da vida foi (ou pode ter sido) um evento singular, que teve que acontecer apenas uma vez. A adaptação das espécies a seus diversos ambientes, por outro lado, ocorreu milhões de vezes, e continua ocorrendo.

A seleção natural funciona porque é uma avenida de mão única, cumulativa, para o aperfeiçoamento.

As estrelas, também são precursoras do desenvolvimento de uma química interessante, e portanto da vida.

A ciência explica coisas complexas em termos da interação de coisas mais simples, até o extremo da interação das partículas fundamentais.
 
Darwin e seus sucessores mostraram como criaturas vivas, com improbabilidade estatística espetacular e enorme aparência de ter sido projetadas, evoluíram através de degraus gradativos, a partir de um início simples.

Há um tendência dos seres humanos de ver conscientemente o que gostariam de ver.

O conjunto de genes misturados e remisturados pela reprodução sexual – constitui o ambiente genético em que cada gene é selecionado por sua capacidade de cooperar.

É a estratégia. “ Comece sendo legal, e dê aos outros o benefício da dúvida. A seguir pague as boas ações com boas ações, mas vingue-se das más ações”.

O desejo sexual é a força que impulsiona uma grande proporção da ambição e do esforço humano.

A política já matou uns bons milhares, mas a religião já matou umas boas dezenas de milhares. Sean O’ Casey

A religião é um insulto à dignidade humana. Com ou sem ele, teríamos gente boa fazendo coisas boas e gente ruim fazendo coisas ruins.

Os homens nunca fazem o mal tão plenamente e com tanto entusiasmo como quando o fazem por convicção religiosa.

A religião é ótima para manter as pessoas comuns caladas. Napoleão

A religião é considerada verdade pelas pessoas comuns, mentira pelos sábios e útil pelos governantes. Sêneca

Ateus podem fazer maldades, mas não fazem maldades em nome do ateísmo.

As guerras religiosas são combatidas em nome da religião, e é terrível como eles são freqüentes na história.

O perigo da fé religiosa é que ela permite a seres humanos normais colher os frutos da loucura e considerá-los sagrados.

A religião convenceu mesmo as pessoas de que existe um homem invisível que mora no céu – que observa tudo o que você faz. A cada minuto de cada dia. E o homem invisível tem uma lista especial com dez coisas que ele não quer que você faça. E, se você fizer algumas dessas dez coisas, ele tem um lugar especial, cheio de fogo e fumaça, e tortura e angústia, para onde vai mandá-lo, para que você queime e sufoque e grite e chore para todo o sempre, até o fim dos tempos... Mas Ele ama você!  George Carlin

As pessoas acreditam nos livro sobre evolução não porque eles sejam sagrados. Acreditam porque eles apresentam quantidades imensas de evidências mutuamente sustentadas. Quando um livro de ciências está errado, alguém acaba descobrindo o erro, e ele é corrigido nos livros subseqüentes. Isso evidentemente não acontece com livros sagrados.

Acreditamos na evolução porque as evidências a sustentam, e a abonaríamos num piscar de olhos se surgissem novas evidências que a desmentissem, Nenhum fundamentalista de verdade diria uma coisa dessas.

As evidências da evolução são fortíssimas e fico apaixonadamente perturbado com o fato de meu oponente não conseguir enxergar isso – ou, o mais comum, recusar-se até a pensar nisso, porque contradiz seu livro sagrado.

Como cientista, sou hostil à religião fundamentalista porque ela debocha do empreendimento científico. Ela nos ensina a não mudar de idéia, e não querer saber de coisas emocionantes que estão aí para ser aprendidas. Ela subverte a ciência e mina o intelecto.

Da fé religiosa : pode-se defender que se trata de uma forma de tortura mental. E, se ela fez isso a um geólogo que estudou em Havard, imagine o que é capaz de fazer a pessoas menos dotadas e menos aparelhadas.

A religião fundamentalista está determinada a arruinar a educação científica de inúmeros milhares de mente jovem, inocentes e bem-intencionadas. A religião não fundamentalista, “sensata”, pode não estar fazendo isso. Mas está tornando o mundo seguro para o fundamentalismo ao ensinar as crianças, desde muito cedo, que a fé inquestionável é uma virtude.
 
“Muita gente prefere morrer a pensar . Na verdade é isso que fazem.” Bertrand Russel

Os ensinamentos da religião “moderada” embora não sejam extremistas em si mesmos, são um convite aberto ao extremismo.

O cristianismo, tanto quanto o islamismo, ensina às crianças que a fé sem questionamento é uma virtude.

A fé pode ser perigosíssima, e implantá-la deliberadamente na cabeça de uma criança inocente é gravemente errado.

As pessoas fazem coisas insanas em nome da fé.

Agradeço aos meus pais por adotar a opinião de que o mais importante não é ensinar às crianças o que pensar, mas como pensar.

Somos apenas uma mutação química.

E é claro que podemos manter uma lealdade sentimental às tradições culturais e literárias, por exemplo, do judaísmo, do anglicanismo ou do islã, e até participar de rituais religiosos como casamentos e enterros, sem aderir às crenças sobrenaturais que historicamente acompanham essas tradições.

Podemos abrir mão de acreditar em Deus sem perder contato com uma história valiosa.

Talvez de você repetir alguma coisas o bastante consiga se convencer de sua veracidade.

Não chega a ser exagero dizer que a maioria dos ateus que conheço disfarça seu ateísmo atrás de uma fachada religiosa. Eles não acreditam em nada sobrenatural, mas possuem um ponto fraco indistinto para a crença irracional. Acreditam na crença.

Dizer que é possível ter uma vida feliz e realizada sem religião sobrenatural ainda é pouco.

Também podemos obter consolo ao descobrir uma nova forma de pensar numa situação.

A felicidade não deixa de ser felicidade por ter de acabar, nem o pensamento e o amor perdem seu valor por não serem eternos. Bertrand Russel

Nós é que decidimos se nossa vida será significativa, plena e maravilhosa. E podemos fazer com que ela seja mesmo maravilhosa. Se a ciência oferece um consolo não material, isso se funde com meu tópico final, a inspiração.

Como muitos ateus já disseram melhor que eu, a consciência de que temos apenas uma vida deveria torná-la ainda mais preciosa.
 
”Que ela nunca acontecerá de novo. É o que torna a vida tão bela.”
“That it Will never come again. Is what makes life so sweet.”

Se a eliminação de Deus vai deixar uma lacuna, cada um vai preenchê-la à sua maneira. Minha maneira inclui uma boa dose de ciência, a empreitada honesta e sistemática para descobrir a verdade sobre o mundo real. Vejo o esforço humano para entender o universo como um empreendimento de modelismo.

Cada um de nós constrói, dentro de nossa cabeça, um modelo do mundo em que vivemos.

Se alguém não ficar chocado com a teoria quântica é porque não entendeu. Niels Bohr

O que interessa é que a matemática funciona, e as previsões são experimentalmente cumpridas.

A ciência em geral, ao contrário da tecnologia, é violenta com o bom senso.

Não explicar a ciência parece-me perverso. Quando estamos apaixonados, queremos contar ao mundo todo. Este livro é uma declaração pessoal, que reflete meu caso de amor de vida inteira com a ciência. Carl Sagan – Livro : O mundo assombrado pelos demônios.

A evolução da vida complexa, e de fato sua própria existência num universo que obedece às leis da física, é uma surpresas maravilhosa – ou seria, se não fosse o fato de que a surpresa é uma emoção que só pode existir num cérebro que seja o produto desse mesmo processo tão surpreendente.

Nosso cérebro evoluiu para ajudar nosso corpo a se virar no mundo na escala em que esse corpo funciona. Nunca evoluímos para navegar no mundo dos átomos.

Fonte: Recanto das Letras