Judas continua Judas




Judas Iscariotes era um apóstolo de Jesus, portanto, alguém de sua intimidade. Mas segundo São João "era ladrão; tirava dinheiro da bolsa comum"(12,5). Denunciou às autoridades, ao preço de trinta moedas de prata, onde Jesus estava escondido e com um beijo em sua face o identificou para os soldados e assim o traiu. Depois, arrependido, quis devolver o dinheiro o que não foi aceito. Desesperado, enforcou-se, segundo São Mateus (27,3-5). Segundo a fala de São Pedro nos Atos dos Apóstolos, sofreu um acidente, "arrebentou-se ao meio derramando todas as vísceras"(1,18). Por volta do ano 100, segundo Papias, discípulo do evangelista João, Judas "teria inchado de forma monstruosa, apodrecendo vivo". Como se depreende ninguém sabe direito seu fim trágico. Mas todos o consideram "o traidor". 

Para a Igreja antiga sempre foi um enigma: por que Judas traiu o amigo? Muitas são as teorias. A mim me convence uma bastante aceita na exegese ecumênica, pois guarda certa coerência interna. Ela reza assim: predominava no tempo de Jesus uma visão do mundo chamada apocalíptica. Segundo ela, o fim do mundo estaria iminente. O Reino irromperia, pondo fim a esta desgraçada existência. Mas antes haveria o grande embate com o Anti-reino e seus asseclas. O Messias seria submetido "à grande tentação". Quase morreria. Mas na hora suprema Deus interviria, salvaria o Messias e inauguraria o Reino. Junto com outros estudiosos, comungo da idéia exposta nos meus livros Paixão de Cristo-paixão do mundo e Pai Nosso que Jesus se inscrevia dentro desta visão. Ele fala do fim iminente e do Reino que já está dentro de nós. Usa  expressões técnicas quando se refere à "tentação", à "hora" e ao "beber o cálice", coisa que lhe produz angústia mortal a ponto de suar sangue e rezar:"Pai afasta de mim este cálice". 

Os apóstolos participavam desta leitura do mundo. Judas, nesta lógica, no afã de acelerar a vinda do Reino, entregou Jesus para pô-lo em grande aperto e assim obrigar a Deus a intervir. Nesta compreensão, Jesus mesmo no alto da cruz, na cercania da morte, se dá conta de que Deus não intervém como esperava. Grita estas terríveis palavras:"Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste"(Marcos 15,34)? Mas sua última palavra foi: "Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito"(Lucas 23,46). A traição de Judas seria portanto um ato teologicamente fundado, para acelerar a vinda do Reino. 

Bem outra coisa diz o Evangelho de Judas, manuscrito de 13 páginas em papiro, originalmente escrito em grego antigo e depois traduzido para o copta por volta do final do século III e inícios do IV.  Portanto cerca de 150 a 170 anos após a morte de Judas. Descoberto nos anos 70 no Egito só recentemente foi decifrado e publicado. O texto principal traz a fala de Jesus a Judas: "Tu ultrapassarás a todos os outros(apóstolos); tu sacrificarás o homem que me serve de roupagem; eu te ensinarei os mistérios do Reino; mas por isso tu sofrerás muito".  O contexto é do gnosticismo, corrente filosófico-existencial, que negava valor ao corpo e à carne. Jesus aqui deveria se liberar desse envelope carnal para revelar sua divindade. Essa seria a missão de Judas. Tal doutrina está longe do espírito dos evangelhos que afirmam a carne que Deus fez sua. Santo Ireneu, bispo de Lyon, no ano 180, conhecia esse evangelho de Judas e o denunciou como ficção. Mas o manuscrito depois sumiu. Por melhores que tenham as razões de Judas, ele foi o traidor e continua Judas.