A estranheza de um menino deus






Para que Jesus tenha sido Deus, é necessário que ele tenha tido a consciência de ser Deus. Que ele tenha nascido com está consciência de ser Deus ou em algum momento tenha tido esta revelação de ser Deus: a consciência de que ele era Deus antes de se tornar homem, a consciência de que ele era Deus feito homem. O que em todo caso é algo bisonho de se imaginar: um homem totalmente homem que acredita ser Deus. Pior ainda: um homem que foi criança e jovem e que como criança e jovem acreditava ser Deus.

O evangelho é escândalo para o grego, ou seja: para o filosofo, para o pensador, para o racionalista e materialista, por que é impossível em todos os mundos possíveis, a existência de um ser que seja totalmente Deus e totalmente homem. Primeiro por que a essência humana de um homem não é pronta, mas feita no tempo, nos equívocos, erros, tragédias e escolhas do tempo. Coisas que não acometem o ser puro e inalterável de Deus. Se Jesus foi homem, ele aprendeu a ser homem no tempo e nas experiências boas e ruins, nos seus erros e acertos, na sua fé, esperança e desesperos na e pela vida, que formam e compõem um homem adulto e pronto, como ele estava em seus trinta anos quando começo seu ministério.

Se Jesus era Deus mesmo, então ele sabia que era Deus, tinha a consciência de que era Deus, tinha a memória passada de ser Deus, e raciocinava como Deus. E como Deus que era: nasceu Deus, sabendo ser Deus. Ou seja, foi um Deus menino! Um menino que sabia que era Deus! Mas um menino que sabe que é Deus, não é um menino, mas a maior aberração de toda a existência possível, em todos os mundos possíveis! Um menino que sabe que é Deus, não é menino, e nem humano, pois ser totalmente humano e adulto é ser formado como homem no crescimento das experiências de vida, a partir da idade de menino que aprende a cada dia e se tornar mais homem e mais consciente de sua existência como homem.

Um menino Deus é um menino que não é menino, que não aprende, que não erra, que não sofre, que não tem duvidas de menino que vira jovem, e de jovem que vira homem. Um menino Deus não é então cem por cento menino, então não pode se tornar um dia cem por cento homem, pois nunca foi cem por cento humano, e nunca aprendeu e viveu na vida como todo homem que tem suas crises, suas esperanças, seus pecados, seus erros, seus equívocos, seus acertos, suas conclusões e aprendizado de homem que um dia foi bebê, menino e jovem para se tornar homem.

Então se de fato Jesus era Deus, ele foi só Deus, sem nunca ter sido homem, que como Deus, encenou um papel de homem e viveu entre os homens, e se passou por homem, atuou como homem, mas nunca foi homem, pois nunca aprendeu e nunca errou para se tornar um homem. Pois o que de fato torna um homem: um homem de verdade, é sua experiência de vida, é a sua trajetória de vida como ser que aprende a ser homem na vida. Portanto uma criança que era Deus, não era uma criança, mas se passava por criança. Ou melhor, era um ser de outro mundo que usou um corpo humano, que passa por todo processo humano de crescimento físico sem o processo de aprendizagem e crescimento mental, pois se trata de um ser que ocupa o corpo de outro ser, como invólucro, como um invasor do corpo de um ser a sem consciência natural deste ser.

Pois ser Deus: é ter a consciência de Deus e racionalização de Deus, e ser homem: é ter a consciência de ser homem, e se raciocinar como homem. E se Jesus foi Deus, ele teve a consciência de ser Deus, e era Deus na consciência e na racionalização, portanto não era homem que aprende, cresce, erra e acerta para se tornar homem, mas um ser pronto no processo de um ser não pronto, no corpo de um ser que naturalmente toma a consciência de si, no seu crescimento de alto consciência e, convicção do mundo nas coisas que escolhe, decide, faz, arisca e crê.

Portanto um homem pra ser homem, ele tem que aprender a ser homem na vida, na juventude e na infância. Mas a infância de uma criança que se sabe ser Deus é uma fraude, uma aberração de um ser que se passa por outro, que se finge ser criança sabendo tudo sobre á vida e a morte, coisa que criança não sabe, coisa que não ocorre aos pensamentos de uma criança.

Ou era uma criança, agindo diante de todos como um ser que tem a consciência de ser Deus desde criança, sendo assim a criança mais estranha que jamais existiu, pois seria uma criança que sabe tudo das coisas de gente adulto, sem nunca ter passado pelas experiências de adulto, e pior ainda: uma criança que sabe tudo sobre as coisas da vida que nem um adulto sabe, pois era Deus e sabia como Deus. Ou seja: uma aberração que mais inspira algo diabólico de possessão de um corpo, do que algo gracioso de um menino especial.

E se era Deus e sabia como Deus desde criança, por que esperou ser homem para revelar seu ministério? Para ganhar credibilidade de homem? Não! Ou ele era Deus e sabia ser Deus, e escondia o fato de ser Deus, e se passava por ser homem, se passando por ser criança e jovem e adulto ate se revelar, ou era uma criança que sabia ser Deus e não escondia ser Deus, que cresceu se revelando ser Deus, e se tornou homem no corpo já sendo Deus revelado desde criança. O que em todos os casos também é uma aberração, ou no mínimo uma falsificação de um ser que usa o corpo de uma espécie diferente da sua, se passando por ser outra coisa que não é, ate se revelar ser quem é, depois de ter vivido como se fosse outro ser.

De todas as formas é muito estranho para não dizer é impossível Jesus ter sido uma criança e um menino que sabe que é Deus, todas as possibilidades caem na irracionalidade, no absurdo e na incoerência. A não ser que ele em algum momento de sua vida de jovem que se torna homem, ele tenha tido uma revelação de ser Deus, o que também é outra coisa improvável e insustentável, mas digno de uma analise mais para frente. Mas todos esses impasses se resolvem na verdade simples da honestidade da razão em contraposição a ao apego do coração que não quer ver e crer que ele foi somente um homem. E sendo homem, que espécie de homem foi?