Reverendo Blá Blá Blá



Reverendo Blá, Blá

Dudu Nobre

 

Reverendo Blá, Blá, Blá mandou a miséria pro vinagre
Depois que abriu no morro uma casa de milagre
Exorcizou o Penar anda de braço com a sorte
Pro filho mais novo comprou um Passat
Pra filha mais velha comprou um Escort

Blá, Blá, Blá com cara de santo, tremendo sabido
171 conhecido na delegacia da jurisdição
Jurou pro doutor delegado que não é bandido
Hoje ele é somente um homem convertido
A serviço da fé, arranjando milhão
Jurou pro doutor delegado que não é bandido
Hoje ele é somente um homem convertido
A serviço da fé, arranjando milhão
Reverendo Blá Blá Blá...

E de repente de todos os cantos veio romaria
Era gente de noite, era gente de dia
Subindo o morro para se curar com Blá, Blá, Blá
E o delegado, que andava desconfiado
Disfarçou-se de coitado
Intimou o esperto para se explicar
Blá, Blá, Blá com cara de santo, tremendo sabido
171 conhecido na delegacia, um falso cristão
Jurou pro doutor delegado que não é bandido
Hoje ele é somente um homem convertido
A serviço da fé, arranjando milhão