Foi Jesus liberal?






Esta é uma das grandes verdades que inferimos dos evangelhos! Sim, Jesus era um liberal. Conforme diz um dos maiores exegetas da atualidade: disso não se pode tirar nem um fio de cabelo, embora as igrejas e os piedosos protestem e achem que seja blasfêmia.

Jesus foi liberal porque em nome de Deus, interpretou e mediu Moisés, a escritura e a dogmática a partir do amor e com isso permitiu aos piedosos de permanecerem humanos e até razoáveis, relativizando preceitos caducos da lei.

O quanto isso é verdade, basta recordar o seguinte episódio que releva à maravilha a liberalidade e o horizonte aberto de Jesus:

“Disse-lhe João: Mestre, vimos um que em teu nome expulsa os demônios e que não está conosco; e nós lho proibimos porque não está conosco. Disse-lhe Jesus: Não lho proibais, pois ninguém que faça um milagre em meu nome falará depois mal de mim. Quem não está contra nós está conosco”

Um simples texto nos mostra que Jesus não era sectário como muitos dos seus discípulos ao longo da história.

Jesus veio para ser e viver o Cristo e não para pregar o Cristo, ou anunciar-se a si mesmo.

Por isso ele sente realizada sua missão lá onde vê homens que o seguem e fazem, embora sem referência explícita ao seu nome, aquilo que ele quis e proclamou.

O que Ele quis está claro: A felicidade do homem só pode ser encontrada se ele se abrir a Deus, e ao próximo.

Um dos pecados mais combatidos por Jesus, e, entretanto, talvez seja o mais praticado ao longo da história como na atualidade, é o pecado contra o espírito humanitário. É o pecado da exclusão, do sectarismo, do partidarismo, do individualismo e coisas semelhantes.

Na parábola dos cristãos anônimos de Mateus 25: 31 ao 46, o Juiz não inquirirá ninguém pela observação dos cânones da dogmática, nem se na vida de cada homem houve ou não uma referência explícita ao mistério de Cristo. Ele perguntará, em termos simples, se fomos altruístas.

É exatamente isso que Cristo exige quando nos propõe um ideal como o do sermão da montanha.

Aqui não cabe falar mais em leis, mas no amor que supera todas as leis.

Quem negou isso negou a causa de Cristo, mesmo aquele que tem sempre Cristo em seus lábios e oficialmente se confessa por Ele.