Reflexões Sobre a Crucificação






A crucificação sempre foi um ponto de dúvida entre muitos dos seguidores do cristianismo primitivo que, tal como muitos judeus e gentios, questionavam a veracidade do fato. Muitos argumentam que a Paixão tem um significado espiritual, um simbolismo para uma vida santa.

Uma circunstância que pesa para fortalecer a suspeita sobre a Crucificação é o relato dos fenômenos naturais que teriam acontecido no momento da morte de Jesus: violenta convulsão da Natureza, ressurreição dos Santos, são eventos que jamais escapariam ao registro dos historiadores da época que, no entanto, não fazem qualquer menção a estes fatos.

Além disso, toda a doutrina que envolve a trajetória de Jesus na Judéia até sua morte na cruz encerra contradições notáveis até para indivíduos iletrados ou pertencentes a culturas mais simplórias. Por exemplo: um chefe indígena, Red Jacket contestou os missionários que tentavam explicar-lhe os benefícios da Crucificação: "Irmãos, se vocês homens brancos assassinaram o Filho do Grande Espírito, nós, índios, não temos nada com isso, não é assunto nosso. Se Ele tivesse estado entre nós, índios, nós não o mataríamos. Nós o trataríamos bem. São vocês que devem reparar seus próprios crimes".

Esta visão, de um pagão iletrado, pode ser mais sensível e racional do que o entendimento dos cristãos ortodoxos ou fundamentalistas, que consideram a Crucificação um ato meritório e moralmente necessário. Este mérito e esta necessidade da crucificação implica, por via de dedução, em uma reavaliação do papel de Judas, posto que a traição foi também necessária. Judas teria, então, mérito na Salvação porque sem o seu gesto, que o próprio evangelho justifica dizendo que "o demônio entrou nele" [Judas], sem a traição, não haveria crucificação e, por conseguinte não haveria a expiação da carga de pecados do mundo; não haveria a Salvação. É um desafio para o cristianismo rebater tais argumentos.

Se os habitantes da Terra precisam da morte injusta e violenta de um ser divino para a expiação de seus erros pode-se presumir que nos possíveis milhões de outros mundos habitados do Universo, em boa parte deles, outras Humanidades também devem ser periodicamente necessitadas desta dramática interferência divina para purificar suas anima mundi dos crimes de coletividades de seres vivos autoconscientes e inteligentes. Será possível que na vastidão do Universo, em mundos e contextos inimagináveis, milhares, milhões de Cristos sejam crucificados?


ORIGENS DO MITO RITUAL

A concepção de deuses vindos do Céu, emanações do Deus Supremo nascidos de uma virgem, sofrendo mortes violentas como sacrifício expiatório pelos crimes dos homens, este é um enredo que tem origem em épocas recuadas quando o homem era um selvagem, um animal que resolvia suas querelas, suas disputas, com derramamento de sangue; quando o sangue era o tributo por qualquer ofensa. Na evolução dos costumes, ao que parece, o sacrifício periódico de um justo voluntário, o cordeiro, a grande dor de um inocente, tornou-se a síntese suficiente simbólica de todas as penas acumuladas e devidas, pelos homens, ao Criador de todas as coisas.


LEITURA COMPLEMENTAR

Para a teósofa H.P.Blavatsky*, o "mistério... da perfeita semelhança entre as vidas de Pitágoras, Buddha [Sakyamuni], Apolônio etc., é muito natural"... e significa "que todos esses grandes homens eram Iniciados da mesma Escola... Não há imitação nem cópia nas das diversas biografias: todas são originais". São biografias que descrevem "a vida mística e, ao mesmo tempo, a vida pública dos Iniciados, que vieram ao mundo para salvar, se não toda, pelo menos uma parte da humanidade".


A ORIGEM IMACULADA

Refere-se ao nascimento místico durante o mistério da Iniciação. Para as multidões, para o entendimento do povo,com apoio dos cleros, esse fato é entendido no sentido literal: "a mãe de cada um dos Iniciados foi uma virgem, que concebeu o filho por obra do Espírito Santo sendo [por isso] chamados Filhos de Deus".


SALVADORES

Citemos, por exemplo, as legendárias vidas de Krishna, Hércules, Pitágoras, Jesus, Apolônio, Chaitanya. ... Cada um é apresentado como um Soter [Salvador] de origem divina, título conferido pelos antigos aos deuses, heróis e reis insignes. Todos, antes ou logo depois do nascimento, são perseguidos e ameaçados de morte... por um inimigo poderoso [o mundo da matéria e da ilusão], quer este inimigos e chame Herodes, rei Kansa ou rei Mâra... E finalmente se diz que, terminados os ritos de iniciação, foram assassinados, isto é, mortos em suas personalidades físicas, das quais se libertam para sempre depois de sua espiritual ressurreição ou nascimento. E com o desfecho dessa suposta morte violenta, descem ao Mundo Inferior ou Inferno — o reino da tentação, da concupiscência e da matéria, e, por conseguinte, das Trevas — de onde regressam glorificados como deuses...


A UNIVERSALIDADE DA CRUZ

Desde o princípio da humanidade, a Cruz, ou o Homem de braços estendidos horizontalmente, simbolizando sua origem cósmica, foi relacionado à sua natureza psíquica e às lutas que conduzem à Iniciação. [Considera-se que o verdadeiro nascimento de um Iniciado somente acontece depois de superadas todas as provas da Iniciação. então acontece o nascer no mundo espiritual. O Iniciado é, portanto, duas vezes nascido, Dvija e sua idade passa a ser contada a partir deste segundo nascimento.

* BLAVATSKY. H.P.. A Doutrina Secreta - vol. V Ciência, religião e filosofia. [Trad. Raimundo Mendes Sobral]. São Paulo: Pensamento, 2003 [p. 144]

A cruz e o círculo são um conceito universal tão antigo como a própria mente humana. Ocupam a primeira linha na lista da longa série de símbolos... "Crucificar perante o sol" é uma expressão usada na Iniciação. Provém do Egito e, originariamente, da Índia... O Adepto Iniciado, que se saísse bem em todas as provas, era atado, não cravado, a um leito em forma de Tau [fig. esq.], em forma de Suástica ... na Índia...

[Depois, o Adepto era]... mergulhado em profundo sono — o "Sono de Siloam" ... Era mantido nesse estado durante três dias e três noites, período em o seu Ego Espiritual... confabulava com os Deuses; descia ao Hades, Amenti ou Pâtala, conforme o país; e fazia obras de caridade em prol dos Seres Invisíveis, Almas de Homens ou Espíritos Elementais; permanecendo seu corpo todo o tempo em uma cripta ou cova subterrânea do templo.

No Egito, o corpo era colocado no Sarcófago da Câmara do Rei da pirâmide de Quéops e levado durante a noite que que precedia o terceiro dia para a entrada de uma galeria, onde, em certa hora, os raios do sol nascente davam em cheio sobre a face do Candidato em estado de transe, e então ele despertava ...
* BLAVATSKY. H.P.. A Doutrina Secreta - vol. IV O simbolismo arcaico das religiões, do mundo e da ciência. [Trad. Raimundo Mendes Sobral]. São Paulo: Pensamento, 2003 [p. 126 a 128] pesquisa e adaptação: Ligia Cabús