A fé de um pastor alemão





No cristianismo existem vários tipos de pessoas mais somente a Fé de um pastor alemão é realmente um exemplo de fé verdadeira.

Podemos nomear quatro tipo de fé: a fé estética, a fé econômica, a fé alienada e a fé visceral.

Fé estética é aquela em que pessoa se encanta com a beleza da sua religião, com a história da sua igreja, com a arquitetura dos seus templos. Com a coerência sistemática das suas doutrinas, isso se encontra muito nas igrejas antigas, nos católicos tradicionais, nos cristãos ortodoxos e nos protestantes reformados que tem uma bonita história pra contar com seus monumentos.

Tem também a fé econômica, é a daquelas pessoas que usam a fé como meio de conquista pessoal, que só pensam e só falam em vitória e prosperidades, que querem alcançar suas coisas por meio da fé, que usam a fé para esses fins. Que são a maioria dos evangélicos hoje, uma raça de víboras. (Jesus chamou esse tipo de filhos da puta, mais a tradução amenizou um pouco).

E tem a fé alienada, são das pessoas infelizes nesta vida, dos doentes, dos fracos, dos mais pobres e simples que só pensam no céu, que só querem ir para o céu, que querem ser arrebatados, que querem que o mundo acabe logo, por que no mundo estão em últimos, são os mais fracos, ou menos favorecidos deste mundo, que por isso desejam irem logo para o céu, são os alienados da prosperidade, da cultura, da intelectualidade e dos prazeres da vida.

E por último a fé visceral que tem como exemplo mais digno um pastor alemão. Dietrich Bonhoeffer foi um teólogo alemão e pastor protestante que na época do nazismo tinha fugido da Alemanha por causa da perseguição, mais que estando seguro pensou que ele não seria digno de voltar para sua pátria quando a guerra passasse se ele não tivesse sofrido com seu povo no momento da guerra. Dietrich Bonhoeffer não só voltou pra Alemanha como ativamente acreditou que seu papel de cristão era impedir que um louco como Hitler destruísse seu país e continente. Dietrich Bonhoeffer morreu como mártir de sua fé, por participar ativamente de um atentado para matar Hitler. Ele não era um alienado que ia morrer como ovelhinha, que não reage ao império do mal, ele criou uma ética de reação imprescindível para sobrevivência do bem: fruto de uma fé visceral na existência. Ele amava seu povo, sua fé, seu Deus, Dietrich Bonhoeffer era apaixonado por Jesus, escreveu alguns dos livros mais lindos sobre fé crista. Um exemplo lindo de fé mais profunda, vivida no chão da vida na dor da existência sem fuga da realidade.