Primeira Carta aos Pentecostais



Aos irmãos de perto, de longe, e aos que estão espalhados nos quatro cantos da terra: Graça, misericórdia e paz, da parte de Deus, e da de Cristo Jesus, nosso Senhor.
 

Damos sempre graças a Deus, por haver o Senhor multiplicado o seu rebanho sobre a terra, de forma que o numero não se pode contar, assim como não se pode contar as estrelas do céu.

Tenho sido informado que alguns no nosso meio cederam aos encantos do deus deste século, amando mais as riquezas do que o serviço sincero e discreto ao Senhor. Peço-vos, encarecidamente, que não sigais o exemplo dos que assim procedem, pois esses mesmos não amam o rebanho, antes, arrebatam para si as ovelhas do Sumo Pastor. Lembrem-se, irmãos, de onde fomos tirados e de quem éramos. Apliquem a vossa memória em recordar, que aqueles a quem Deus enviou para nos ensinar seu caminho desprezavam suas próprias vidas, amando mais a repreensão do que os aplausos. Homens dos quais o mundo não era digno. Ao contrario dos lobos de hoje, nossos pioneiros se identificaram mais com os “desprezíveis” deste mundo do que com os que poderiam lhes dar algum tipo de retorno. Por isso, amados irmãos, desvencilhemos-nos deste mundo, como quem com um coração reto diante de Deus, deseja agradar-lhe tão somente por quem Ele é. Analisem, irmãos, a motivação daqueles que lhes apresentam como pastor. Desconfiem da atitude mais trivial, da ação mais despretensiosa e das pregações “fantásticas” deles, sabendo que os verdadeiros pastores amam o cuidado quieto de Deus.

Rogo-vos, ainda, que não vos associeis com os que se dizem novos-pentecostais, pois os tais introduzem praticas sacrificadas a ídolos no culto ao Senhor, levando ao escândalo muitos irmãos e desviando do caminho aqueles que entram pela porta eterna. Irmãos, não sejais ignorantes quanto ao cuidado que recebemos de nossos pais, que evangelizaram até as mais desprezadas e abandonadas comunidades desse nosso Brasil; não desprezeis o seu legado de busca sincera ao Senhor.
 

Guardai-vos de servirem ao deus deste século.


Fonte: Ultimato