Sua mensagem está sendo transferida para a caixa postal de Deus



Jesus Cristo foi executado e morto por ter incomodado a liderança religiosa e o governo romano, mas foi o povo quem pediu sua crucificação. Ele, acima de tudo, não era politicamente correto. Ao lembrar os pressupostos básicos do judaísmo, expunha as falácias dos sacerdotes e, ao aconselhar o povo a cumprir com suas obrigações de cidadão, acumulava brasas sobre a cabeça de Cesar. Certa conspiração entre as partes e a propaganda na medida certa bastou para o povo gritar: crucifica-o. Deus Pai estava de férias no Paraíso. Jesus bem que tentou, mas em todas as suas ligações ouviu: “Essa chamada está sendo transferida para a caixa-postal de Deus”. Só restou ao mártir exclamar: Deus, por que me desamparastes! É sempre assim, quando mais precisamos, os celulares celestiais estão desligados ou os maiorais estão em reunião. Se o filho não foi socorrido a tempo, que dirá um pecador picareta como eu.

Sei que isso desestimula a nossa fé positivista. Ainda mais quando nossos dogmas estão arraigados nas doutrinas niilistas dos pastores. Nós não transamos muito bem com o sofrimento e o revés. Nas horas difíceis, desejamos um deus facilitador, onipresente, misericordioso e tolo. Quando tudo vai bem, nossa opção costuma pender mais para o lado de Deus bom e permissivo. Para nós, a morte de Jesus e toda aquela barbaridade que Mel Gibson insistiu em reproduzir, inadvertidamente, poderia ser suprimida da Bíblia. Ficaríamos, apenas, com o Jesus vencedor e milagreiro. Aí sim os pastores faturariam alto. Não me surpreende a idéia de que, no futuro, apareça algum fato capaz de mudar o texto bíblico, nesse sentido.

O que há de melhor na dificuldade é o carinho e a sensibilidade dos amigos, cristãos ou não. Claro que eles nos socorrem em sua limitação humana. Com o passar do tempo, poucos permanecem. Geralmente um ou dois. É Pedro acompanhando o cortejo de execução à distância, até ouvir o galo cantar. A crucificação é compulsória, tanto para o Nazareno como para seus seguidores. “Quem quer seguir-me, tome sua cruz e siga a minha”.

Segundo as regras de um bom blog cristão, eu deveria escrever de forma positiva, como aqueles livros de mensagens devocionais que as pessoas lêem todos os dias antes do café-da-manhã, do tipo Loyde Olgivie, Mananciais do Deserto, etc… Aliás alguns blogs parecem com esses livros, mesmo. Ao longo do tempo cristão, a igreja adotou essa linha de misticismo animista. Nossa tendência atual é praticar uma religião misteriosa e transcendente, meio para o lado do ocultismo, desde que capaz de afastar nossas mazelas para bem longe. Problema é que nem sempre as danadas obedecem, em verdade, elas teimam em permanecer, na maioria das vezes.

Funciona mais assim: quando o Tsunami chegar, agarre-se ao primeiro coqueiro disponível, como fez minha amiga Marie. Se após a terceira onda, você perceber que ainda está nesse mundo, olhe em volta, especialmente para os milhares de corpos boiando, e pense como Deus é bom. Podemos todos enfatizar a bondade divina olhando para Jesus crucificado, afinal ele se danou em nosso lugar. Agora olhe para sua realidade caótica, se for seu caso, e pense como Deus é injusto e desatento com você. Se à sua volta, ninguém mais estiver sofrendo como você, inveje o máximo que puder, pois eles estarão pensando o pior a seu respeito. Enquanto isso, Deus estará com o celular desligado para evitar que você o incomode. Uma realidade bem diferente daquela ensinada pela Igreja.

Ops: Escrito por um membro de uma igreja pentecostal após ter perdido sua filha para uma meningite oportunista e atéia.

Importante: A Georgia enviou E-mail informando de epidemia na cidade onde ela reside (Hilden-Alemanha). Eles estão sob quarentena e o quadro é ruim. A oração urgente do povo está requerida.