Parodiando: Igreja para quem precisa!



E não é que eles tinham razão...

Nosso ímpeto evangelístico recém nascido, é contundente na abordagem com os hereges, desviados, mundanos, criaturas, filhos do diabo que não abraçaram a fé que agora nos faz seres selecionados para trafegar em realidades espirituais até então desconhecidas, e que nos confere o legítimo direito como porta vozes da eternidade de ter a santa petulância de poder dizer: Você precisa ir para a Igreja!

Não raras vezes, a resposta não poderia ser outra, e você assim como eu, já deve ter ouvido em sua trajetória de vida religiosa esta frase alguma, senão várias vezes: Igreja é para quem precisa!

Como nos imbecilizamos e perdemos o senso de ridículo e de humildade que até bem pouco tempo nos fazia ter a noção de ser um igual em relação ao nosso semelhante fosse ele de qual confissão de fé, e que agora abduziu nossa humanidade e nos transformou em homos-angelus, conferindo aos de fora da fé a legenda de candidatos ao caldeirão do demo!

Que transcendência é essa que despencou sobre nossa cabeça e tirou nossos pés do chão para colocá-los numa eternidade alienada da realidade da vida, e que seqüestrou nossa compaixão por aqueles que foram feitos o dejeto da sociedade pela falta de opção, quando não, exclusos pelas cátedras da religião?!

Nossas fragilidades e débeis certezas de ante-ontem, ganharam agora a impetuosidade de uma ameba convertida a religião dos super-poderes e mega shows de sobre-naturalidade.

Parodiando os profetas Titãs... 

Igreja para quem precisa! Igreja para quem precisa de polícia!

Dizem que ela existe prá ajudar!
Dizem que ela existe prá proteger!
Eu sei que ela pode te parar!
Eu sei que ela pode te prender!...

Igreja para quem precisa! Igreja para quem precisa de polícia!

Dizem prá você Obedecer!
Dizem prá você Enriquecer!
Dizem prá você Cooperar!
Dizem prá você Respeitar!...

Igreja para quem precisa! Igreja para quem precisa de polícia!

Sou constrangido pela minha consciência a declarar que me desviei! Não do Evangelho, nem da Igreja Invisível Corpo de Cristo, mas me desviei da Igreja status quo, modus operandis, estrutura física elaborada e erigida para ser o Totem da vaidade e prepotência humana.

Hoje me reúno como Igreja com pessoas que se perceberam igualmente desconfiguradas da humanidade pelo sistema eclesiástico, e que optaram por um resgate da simplicidade, informalidade, leveza, mas radicalidade do Evangelho que nos faz enxergar que: “todos pecaram e carecem da glória de Deus”.  

Precisamos sim de “Igrejas Indivíduos”, pessoas que foram chamadas para fora de toda operação desumana que exclui o semelhante e o projeta para longe de tudo que representa vida, dignidade e pacificação com Deus.

Precisamos sim de “Igrejas Indivíduos”, que tiveram a consciência re-feita no Evangelho, e que não se portam como juízes dos diferentes, mas como cooperadores para que eles se tornem o ideal do Criador.

Precisamos sim de “Igrejas Indivíduos”, que reconstruam a esperança no coração de homens, mulheres, jovens, crianças e idosos, como fruto da verdade do Evangelho que habita em si mesmo.

Precisamos sim de “Igrejas Indivíduos”, que tenham a sensibilidade em lidar com as crises humanas, proporcionando as pessoas reconciliação consigo mesmo, com o próximo e com Deus, dando-lhes uma perspectiva de dias melhores com gestos e atitudes simples e objetivas, que as tornem “A Coroa da Criação”.

E não é que eles tinham razão... Igreja para quem precisa!